Pular para o conteúdo

Home office pode gerar angústia e afetar a produtividade

18 de maio de 2020

O home office chegou impactando tudo a sua volta diante da pandemia do Covid-19. Contudo, o problema foi a mudança repentina pegando muita gente de surpresa. Com isso, as pessoas não tiveram tempo de se prepararem nem física quanto psicologicamente para essa nova realidade.




Diante de um momento atípico

Estamos enfrentando uma condição nunca antes vivenciada por nós, então, não sabemos como agir. “É tudo muito novo, estamos aprendendo a lidar com o isolamento social. Isso gera medo, incerteza do do futuro, tristeza com as notícias assistidas diariamente. Bem como, gera angústia e pode até desencadear um quadro depressivo ou ansioso. Imagina um profissional trabalhando e com todos esses sentimentos. A maioria de nós estamos assustados e essas preocupações interferem no serviço e na produtividade”, avalia a psicóloga Camila Bonagamba.

Nesse sentido, esse período de recolhimento também afeta o emocional dos indivíduos ao privá-los de momentos agradáveis. Como bater-papo com os amigos na hora do café, ir para academia depois do trabalho ou encerrar a semana com um happy hour.

Da mesma forma, o distanciamento também proporciona a maior reflexão sobre a vida ou o futuro e isso aumenta a tensão. “Antes com ritmo frenético, as pessoas não conseguiam parar para pensar. No entanto, agora ela está em casa sozinha. Assim, problemas antigos, dúvidas e anseios podem acabar vindo à tona. São muitos fatores interferindo na produtividade e no autocontrole dos trabalhadores nesse cenário”, explica Camila.

Terapia virtual pode ajudar!

Por isso, e também considerando o alto número de afastamentos e turnover por conta de distúrbios intelectuais, corporações estão implementando terapias para seus colaboradores. Como a Etus Brasil, por exemplo, uma das maiores plataformas de marketing da América Latina. Ela está disponibilizando atendimento psicológico on-line para toda sua equipe.

Por conseguinte, o objetivo é passar por esse momento com menos perdas o possível. “A quarentena está trazendo à tona muitas emoções novas, as quais as pessoas não estão acostumadas a lidar. Ainda, se soma a isso a uma recente rotina de trabalho com o home office. Ou seja, um ritmo desconhecido o qual exige diversas adaptações. Essas são ocorrências estressantes e podem afetar a estabilidade e até a saúde do nosso time. Em vista disso, optamos por oferecer esse atendimento com um profissional qualificado”, explica o CEO da Etus, André Patrocínio.

Isso é importante, pois não ter a estrutura da empresa e ainda estar vulnerável a maiores distrações faz parte da atuação remota. Com isso, o Head of Custumer Success na Etus, Lucas Vasconcelos, comenta o benefício da atitude da empresa: “o equilíbrio muitas vezes não depende de nós, então é preciso organizar esse caos de alguma forma. Para quem precisa usar a cabeça para alcançar o resultado, é fundamental esse acompanhamento”.

Como dizem: “contra fatos não há argumentos’’

De acordo com a Universidade de Warwick, no Reino Unido, contratados felizes são 12% mais produtivos. Também, tem três vezes mais criatividade e são 37% superiores em vendas, mostra a pesquisa concluída pela Universidade da Califórnia. Então, vale ressaltar a relevância do apoio e desenvolvimento do público interno. Bem como, circunstâncias de descompressão e parceria em comemorações e reuniões virtuais, por exemplo.

Portanto, os líderes devem estar atentos para garantir o bem-estar e a satisfação dos cooperadores. Caso, esteja enfrentando alguma dessas situações, procure ajuda. Conte com o Polo!

Fonte: Nube

[apss_share]

Comentários

Comentários